Skip to content

Atenção, mundo: as crianças vão crescer

31 de agosto de 2011


O  vídeo foi feito no início do ano pela agência inglesa PHD. Intitulado “We are the future”, ou “Nós somos o futuro”, mostra uma série de crianças-pre-adolescentes falando, em resumo, que em 10 anos elas terão crescido e dominado o mundo (que é o que fazem, no fundo, todas as gerações com 10 anos de idade quando chegam aos 20).

Foi feito para ser exibido e discutido em congressos publicitários, mas acabou chegando às redes sociais e se dividindo entre encantar e horrorizar.

Encantar porque escancara sem nenhum melodrama juvenil (salvo a irônica musiqueta de fundo) a já chamada “geração Z” – nascida de 1990 pra cá e que  sucede a ainda nem desvendada geração Y (os jovens hoje de 20 a 30 anos).

Mas horrorizou pelo ar quase tétrico de suas criancinhas nem bonitas e um tanto inquisidoras na hora de apontar o dedo para os fazedores de marketing. “Nós não vamos apenas assistir seus anúncios, mas vamos esperar conteúdo inteligente e personalizado baseado.. em mim.. em mim.. e em mim!,” elas dizem. “E não ultrapassem os limites”, dizem ainda. “Ou então iremos te bloquear.”

O negócio ganhou até uma reposta irônica, com Tom Hanks, Penelope Cruz e tudo, chamando a atenção pro tamanho da alienação que a coisa preconiza.

Pode parecer, de fato, uma filosofia um tanto consumista, egocêntrica e agressiva para se conceber na boca de nossas sempre tão puras crianças. Mas vale lembrar: é com as empresas que elas estão falando; e que, como sabemos, são bem menos puras que crianças.

E, vale lembrar 2 – estes jovens adultos crescem em um mundo bastante diferente das longínquias décadas de 90 e 80, quando consumo e propaganda eram ainda uma mão de via única e, como tal, aí sim, uma mera questão de ter ou não ter; as duas únicas opções do mercado até então.

“Você não tem ideia do que será o iPhone de 2021”, diz uma das meninas.

O iPhone, e o mundo, de 2021. Eu, pelo menos, não tenho mesmo. Um misto de falta de ideia com uma enorme curiosidade de saber até onde iremos chegar.


Em tempo: alguns clássicos infantis do obsoleto século 20 e que mostram o potencial que tantas outras gerações de crianças tiveram também para ser tétricas.

“Não esqueça minha Caloi”! Uma campanha nacional ensinando técnicas de como influenciar adultos em prol de suas vontades.


“Cooooompre batoooooom…” Destaque para os olhos arregalados:


E a incrível e sintetizadora “eu tenho você não tem”, que causou um reboliço em 1992 entre pais horrorizados e crianças deprimidas por não terem uma tesoura. A peça foi até proibida:


E aí. Qual geração você escolhe?


Outros posts:

Infância, Walt Disney e velhice
Carta a Washington Olivetto
Únicos

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: